Prepare-se para o aumento do preço da gasolina em julho; descubra o porquê

Prepare-se para o aumento do preço da gasolina em julho; descubra o porquê

Veja porque os preços da gasolina provavelmente subirão em todo o país no próximo mês de julho!

A partir de julho, uma elevação nos preços da gasolina e do etanol se tornará provável com a reimposição da tributação PIS/Cofins sobre os combustíveis. Segundo projeções da Abicom (Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis), o valor por litro da gasolina pode subir R$ 0,34 em postos em todo o Brasil.

No último ano, ocorreu a isenção desses itens. No entanto, o Governo Federal anunciou em março deste ano que a tributação dos impostos seria parcialmente reintegrada. A partir de 1º de julho, a tributação total sobre os combustíveis voltará.

Importante destacar que os postos de gasolina têm autonomia para definir os preços que considerarem adequados. No entanto, usualmente os aumentos nas refinarias se refletem rapidamente nos preços ao consumidor.

Preços da gasolina ainda são baixos

Mesmo se o aumento previsto ocorrer, o preço da gasolina ainda será inferior ao do ano passado. De acordo com os dados mais recentes da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), o preço médio do litro diminuiu para R$ 5,40 na última semana.

Portanto, se o aumento de R$ 0,34 ocorrer, o preço poderá atingir R$ 5,74 por litro. No entanto, isso é 20% menos do que o valor registrado em 2022. Em junho do ano passado, o preço médio do combustível era de R$ 7,23 nos postos.

Petrobras anuncia redução do preço da gasolina

Na última terça-feira, 16, a Petrobras anunciou um corte de R$ 0,13 no preço do litro da gasolina para as refinarias. Ainda não se vê completamente o efeito dessa redução nos preços nos postos de combustível. Este é o segundo ajuste negativo feito pela empresa desde a alteração na política de precificação.

Em junho, os estados começaram a aplicar uma taxa fixa de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços), o que provavelmente aumentará os preços. No entanto, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, disse que a petrolífera poderia anunciar novos ajustes para compensar a subida.