Loading...
0%

OFICIAL: Programa Minha Casa, Minha Vida iniciou e VEJA os critérios para financiamento

OFICIAL: Programa Minha Casa, Minha Vida iniciou e VEJA os critérios para financiamento

O retorno do programa Minha Casa, Minha Vida, a iniciativa de financiamento de casas do Governo Federal, provocou diversas alterações. Logo, a partir da última sexta-feira, 07, as novas regras entraram em vigor.

Se você, como muitos brasileiros, está entusiasmado com a chance de conquistar sua própria casa, ficará satisfeito ao descobrir que o governo, em parceria com a Caixa Econômica Federal, introduziu melhorias consideráveis que beneficiarão os três níveis de renda do programa.

Entre as principais mudanças, destaca-se a redução das taxas de juros, tornando o financiamento mais viável, especialmente para famílias de baixa renda. Além disso, a faixa de preços para a compra de imóveis através do programa também aumentou.

Isso significa que as famílias agora podem escolher imóveis mais caros, proporcionando uma maior variedade de opções de moradia dentro do programa Minha Casa, Minha Vida.

Mas tem mais! Então, para que você esteja totalmente informado sobre as vantagens oferecidas e os critérios estabelecidos, compilamos todas as informações necessárias aqui.

Desta maneira, compreendendo as novas operações do programa, você pode se planejar e se posicionar melhor para realizar este sonho, compartilhado por milhares de pessoas.

Normas de participação do Minha Casa, Minha Vida

Antes de mais nada, é importante lembrar que, além de promover um estímulo social, o governo federal espera que as mudanças reativem o setor da construção civil e promovam a criação de empregos.

Ler também: Benefício Excepcional Alcançará 20 mil Famílias; Veja se você é elegível

Com esse propósito, a meta é finalizar a construção de 2 milhões de imóveis até 2026, incluindo também a retomada de obras que estavam paralisadas.

Enfim, as novas diretrizes para a participação no Minha Casa, Minha Vida são divididas em três faixas de renda, que compõem duas modalidades, cada uma com suas especificidades.

Assim, na modalidade “Urbano”, a Faixa 1, pode ter uma renda bruta mensal familiar de até R$2.640. Para a Faixa 2, a renda bruta mensal permitida varia de R$2.640,01 a R$4.400. Já na Faixa 3, a renda bruta mensal permitida vai de R$4.400,01 até R$8 mil.

No caso da modalidade “Rural”, as famílias também são divididas em três faixas de renda. No entanto, neste caso, considera-se a renda bruta anual.

Na Faixa 1, a família pode ter uma renda bruta anual de até R$31.680. Na Faixa 2, a renda bruta anual permitida varia de R$31.680,01 a R$52.800. Por fim, na Faixa 3, a renda bruta anual vai de R$52.800,01 até R$96 mil.

Nota:

Com as recentes mudanças no Minha Casa, Minha Vida, o subsídio máximo, que corresponde à parte do financiamento paga pelo governo e pode reduzir ou até mesmo eliminar o valor necessário de entrada, também foi atualizado.

Assim, aumentou de R$47,5 mil para R$55 mil para famílias classificadas nas faixas 1 e 2 do programa.

Ler também: Benefícios ampliados: programa de compra de imóveis com FGTS terá aumento;

Alterações no Minha Casa, Minha Vida

Como mencionado, ocorreu uma diminuição nas taxas de juros para as faixas 1 e 2 do Minha Casa, Minha Vida. É importante destacar que, como antes, o percentual estabelecido continua a variar de acordo com as diferentes regiões do país.

No Norte e no Nordeste, a taxa caiu de 4,25% para 4% ao ano. Enquanto isso, nas regiões Sudeste, Sul e Centro-Oeste, a taxa foi de 4,5% ao ano para 4,25%.

No entanto, na faixa 3, não houve mudanças. Nesta modalidade, os juros permanecem em um máximo de 8,16% ao ano.

Para as faixas 1 e 2 do Minha Casa, Minha Vida, o valor máximo dos imóveis varia de acordo com a região do país. Em geral, o limite para essas faixas fica entre R$190 mil e R$264 mil.

Essa variação considera fatores como o custo de vida e o mercado imobiliário em cada localidade, buscando garantir que as famílias tenham acesso a habitações condizentes com a realidade econômica de suas regiões.

Por outro lado, para a faixa 3, que abrange famílias com uma renda ligeiramente maior, o valor máximo dos imóveis aumentou para até R$350 mil em todo o Brasil.

Essa ampliação do limite possibilita que mais famílias tenham acesso ao Minha Casa, Minha Vida e busquem opções de moradia em um nível de valor um pouco mais alto, mas ainda acessível dentro de suas possibilidades financeiras.