Loading...
0%

Convocação do INSS para Aposentados que Requereram Acréscimo

Convocação do INSS para Aposentados que Requereram Acréscimo

Aqueles que se aposentaram e pediram o aumento de 25% no pagamento do INSS devem se manter alerta. Veja mais!

Recentemente, a Direção Executiva do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) mobilizou um mutirão que facilitou a programação de perícias para as 853 pessoas que esperavam pelo procedimento, algumas aguardavam há quatro anos.

Assim, os aposentados por incapacidade permanente do Distrito Federal (DF) que solicitaram o aumento de 25% no benefício do INSS devem ficar vigilantes, pois as perícias foram iniciadas nesta semana. Com base nessa avaliação, o INSS decidirá se concede ou recusa os pedidos de aumento.

Perícia do INSS para o adicional

Portanto, para verificar a data da perícia, deve-se acessar o site ou o aplicativo Meu INSS (disponível para Android e iOS) ou ligar para o número 135. Caso o segurado não consiga comparecer na data agendada, pode reprogramar o atendimento para outra data pelos canais mencionados.

Ler também: Bolsa Família anuncia a introdução de cartões de débito para facilitar os pagamentos

Se o beneficiário estiver acamado ou hospitalizado e não puder ir pessoalmente ao INSS, pode solicitar a perícia médica ou hospitalar por meio de um representante que deve se dirigir ao Instituto. Este procedimento deve ocorrer na data programada para a avaliação, apresentando documentos que comprovem a internação ou a impossibilidade do beneficiário sair de casa.

Elegibilidade para o adicional de 25%

Segundo o artigo 45 da Lei nº 8.213/1991, o segurado que recebe aposentadoria por invalidez e necessita de assistência permanente de outra pessoa tem direito ao adicional de 25%. Verifique em quais situações você pode ter acesso ao acréscimo:

  • Mudança das faculdades mentais;
  • Perda total da visão;
  • Doença que requer permanência no leito;
  • Incapacidade para atividades do dia a dia;
  • Paralisia de ambos os membros superiores ou inferiores;
  • Perda de nove ou mais dedos das mãos;
  • Perda de uma mão e de dois pés, mesmo com prótese;
  • Perda dos membros inferiores, quando a prótese não é viável;
  • Perda de um membro superior e outro inferior.